Home Ufologia Os casos mais famosos de OVNIs no Brasil

Os casos mais famosos de OVNIs no Brasil

por Redação Momento Critico 18/03/2018

Quando comentamos sobre OVNIs no Brasil, de imediato lembramos de alguns casos históricos, como Varginha, a noite oficial dos OVNIs no Brasil e a Operação Prato.

Mas será que esses casos se trataram de OVNIs no Brasil e de extraterrestres ou foram confusões e paranoias coletivas?

Algumas pessoas acreditam; outras não. Aqueles que acreditam aceitam as manchetes sobre avistamentos. Já aqueles que não acreditam, inventam milhares de motivos para “desmascarar” a possível fraude.

Qual dos dois tem razão? Bom, para ser franco, existem pessoas que são como São Tomé, “só acreditam vendo”.

Nosso país é palco de muitas visitas. Mas, a possível existência de vida extraterrena está presente em diversos fatos e marcos históricos de nosso planeta.

OVNIs no Brasil

Caso Villas-Boas

Este fato aconteceu no estado de Minas Gerais, na cidade de São Francisco de Sales em 16 de Outubro de 1957. Este não foi apenas o primeiro avistamento de alienígenas registrado mas também o primeiro caso de abdução. Aconteceu com Antônio Villas-Boas que confessou, antes da abdução, ter visto dois clarões pela sua janela.

OVNIs no BrasilAntônio narrou os fatos que sucederam no momento que estava no interior da nave. Segundo a vítima, os alienígenas, depois de o despirem por completo, extrairam amostras de sangue. Logo em seguida, o deixaram com uma alienígena fêmea de cabelo prateado, grandes olhos azuis e com pelos nas axilas e púbis e ambos da cor vermelha.

Antônio revela que fez sexo de diversas formas com a mulher alienígena. No momento em que foi devolvido, a alienígena apontou para sua barriga, dando a entender que poderia estar grávida dele.

Antônio sabia que ninguém acreditaria em sua história. Por isso, antes de sair da nave, tentou furtar um souvenir para poder comprovar seu relato. Os extraterrestres perceberam sua intenção e acabaram frustrando seus esforços. Para Antônio, seu primeiro contato com nossos vizinhos foi justamente por uma experiência genética.

Mesmo com o relato de Antônio, infelizmente, na época não houveram maneiras de evidenciar o caso. Além de não existir marca alguma deixada pelo disco voador. No ano de 1978, uma inundação acabou com qualquer outro vestígio ou possibilidade de comprovar o relato.

Apesar de não ter sido possível encontrar provas no terreno, em Antônio foram encontradas algumas marcas supostamente deixadas pelos aliens e, alguns sintomas que são comuns em pessoas que receberam fortes doses de radiação.

 

Caso do Forte de Itaipu

Em novembro de 1957, no Forte de Itaipu, dois vigilantes avistaram um brilho imenso e intenso no céu. Eles estranharam e observaram mais cautelosamente. Inesperadamente, aquele brilho começou a cair em uma velocidade vertiginosa para parar abruptamente, cerca de 300 metros da instalação militar.

Os oficiais que avistaram o OVNI relataram que sentiram um calor intenso vindo do objeto não identificado. O objeto tinha aproximadamente 30 metros, um deles desmaiou. O outro, reunindo todas suas forças gritou por socorro e quando os outros soldados chegaram ao local, conseguiram avistar a nave batendo em retirada.

Os oficiais sofreram queimaduras e foram tratados. O contato foi tão real e alarmante que as forças nacionais levaram ao conhecimento dos Estados Unidos devido sua experiência com esse tipo de assunto. O fato despertou tanta atenção que alguns representantes americanos vieram ao país para investigar o caso que continua sem solução até hoje.

 

Operação Prato

A operação prato foi iniciada pelo primeiro Comando Aéreo Regional, entre outubro e dezembro de 1977. O fato que chamou atenção foi o relato de muitos moradores de Belém, Pará, não só relatarem o surgimento de luzes no céu como também, algumas serem vítimas de queimaduras e feridas.

Essa investigação foi liderada pelo capitão Uryangê Hollanda que foi até o lugar e conseguiu provas em fotos e vídeos sobre o ocorrido. Esses documentos não foram divulgados, porém, é um dos casos mais documentados no mundo.

Alguns desses documentos foram compartilhados de maneira oficial. Outros acabaram vazando ao grande público. Nos documentos que vazaram é possível acompanhar os relatos das pessoas, entre elas, militares que presenciaram esses contatos. Além desses relatos, ainda é possível ler as descrições precisas dos voos e das pessoas que tiveram contato com as luzes que receberam a alcunha de “chupa-chupa”.

Outro relato que vazou foi o da Dr. Wellaide que na época do evento tinha 24 anos. Nesse relato, a médica descreve as condições dos pacientes que, supostamente, tiveram contato com os OVNIs.

Os sintomas mais comum eram:

Crise nervosa.OVNIs no Brasil

Astenia.

Cefaleia.

Tremores generalizados.

Amortecimento parcial do corpo.

Tonturas;

Queimaduras de 1º grau.

Marcas de perfuração.

A médica ainda destacou alguns detalhes importantes. Nos homens, as marcas eram no pescoço e na única mulher, trazia marcas sobre os seios

Os fatos transformaram a região. Não paravam os burburinhos a respeito do assunto. Isso chamou a atenção nacional. Fez com que o Serviço Nacional de Inteligência enviasse um documento para Brasilia a respeito dos fatos.

No início, acreditavam que era apenas misticismo de uma parte da população pobre do lugar. Pelo menos até o momento em que elas se intensificaram. Por esse fato, uma base de vigia foi criada no local. Mesmo assim, até os dias de hoje existem pessoas que não acreditam no surgimento dos OVNIs nesse período.

Mesmo com essa questão, o caso ganhou força nacional e mundial. A operação prato também é conhecida como o “Caso Roswell Brasileiro”, uma referência ao maior caso de todo planeta sobre aliens que aconteceu na cidade de Rosweel, Estados Unidos.

 

A noite dos OVNIs no Brasil

No dia 19 de Maio de 1986 aconteceu um fato que ficou conhecido no Brasil como: “A noite oficial dos Ovnis”. Nesse dia, foram avistadas no céu, diversas luzes que chamaram atenção dos radares do Cindacta (Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo), a partir da detecção desses objetos, a Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro e de Anápolis, Goiás, enviaram caças F5 e Mirage até o local.

Foi registrado a perseguição de cerca de 21 OVNIs que podiam ser avistados em quatro estados diferentes: Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Goiás. Essa perseguição durou três horas e gerou um acervo de registros de conversas mantidas entre os pilotos e controladores. Os documentos mais valiosos para a ufologia brasileira.

Para não alarmar ainda mais os habitantes do país, no dia 20 de maio o então tenente-brigadeiro do ar Octávio Júlio Moreira Lima, ministro da Aeronáutica, deu uma coletiva para relatar a imprensa a respeito da operação montada às pressas no dia anterior.

Foi divulgado um relatório oficial da FAB no qual era confirmado o surgimento de objetos voadores não identificados no céu do Brasil. Segundo observações, foi constatado que os fenômenos eram sólidos e demonstravam inteligência por se manterem a uma determinada distância e por voarem em formação. Não foi constatado força bélica por não acontecer nenhum confronto entre as forças armadas.

 

Varginha

No ano de 1996, a então desconhecida cidade de Varginha em Minas Gerais, ganhou a mídia nacional e mundial após relatos de surgimento de naves e seres extraterrestres. Liliane e sua irmã, Valquiria Silva, mais a amiga Kátia Xavier, relataram ter visto um humanoide próximo de um terreno baldio.

OVNIs no BrasilSegundo descrição das garotas, a criatura tinha aparência viscosa, pele marrom e grandes olhos saltados e avermelhados, além de três protuberâncias na parte superior de sua cabeça. Esse caso ficou conhecido no mundo inteiro e as garotas ainda afirmaram que o ser entrou em contato com elas mentalmente.

Além dessas informações, a mãe das garotas confessou a tentativa de suborno que recebeu para não permitir que suas filhas falassem a respeito do fato ocorrido. Segundo inquérito da Polícia Militar, o alienígena nada mais era que um cidadão da cidade conhecido como Mudinho.

Era uma época de chuvas intensas na região e, provavelmente, o que as meninas viram foi o Mudinho com o corpo coberto de barro e com os olhos injetados por alguma razão desconhecida. Os policiais acreditaram que as meninas confundiram devido ao terror instaurado no momento da visão.

Mas, segundo os ufólogos, que também questionaram as garotas sobre essa possibilidade, concluíram que não havia como confundir o Mudinho com o ser descrito. Sem mencionar que o Mudinho era conhecido na região. Não teria como confundi-lo com um ser de baixa estatura, olhos grandes, avermelhados e protuberâncias na cabeça.

Muita fumaça para pouco fogo?

Para desmistificar o relato policial sobre Mudinho, os ufólogos chamaram atenção da imprensa para a quantidade de viaturas que havia na região naquela ocasião. Os policiais se defenderam dizendo que a movimentação era para levar os carros para as devidas revisões.

Marcos Petit é um dos maiores estudiosos no caso de Varginha e, segundo o ufólogo, o Et de Varginha não é o primeiro contato com seres de outros planetas. A descrição das meninas é parecida com a maioria dos relatos descritos por Bombeiros, Policiais, Exército de Minas Gerais. O que demonstra que, essa não foi a primeira aparição de um ET entre nós. Pelo menos uma que não conseguiu ser escondida de todos.

 

Os avistamentos continuam

Relatos de avistamentos e experiências com OVNIs no Brasil e com extraterrestres chegam ao nosso conhecimento todos os dias. Na atualidade, com nossa tecnologia, com celulares modernos, não vai demorar para que alguém consiga provas irrefutáveis. Até hoje, sempre que se fala em extraterrestres, os governos mudam o assunto, explicam de maneira superficial. Vai chegar um dia que terão que admitir a existência de tais seres. Esperamos que esse dia chegue logo.

Notícias Relacionadas

Gostaríamos de saber a sua opinião. Comente!