Home Antropogênicos Peste negra

Peste negra

por Redação Momento Critico 12/04/2018

Se você gosta de filmes de época, provavelmente já esbarrou em algum que citava a peste negra, doença que dizimou uma grande parte da população europeia e asiática no século XIV. Mas você sabe o que seria a peste negra?

A peste negra foi uma gigante pandemia que dizimou entre 75 e 200 milhões de pessoas na Europa e na Ásia e foi muito rápida, teve seu auge entre 1346 e 1353. Em apenas 7 anos acabou com aproximadamente um terço da população da Europa.

A peste negra não foi erradicada, na atualidade é mais conhecida pelo nome científico de Yerrsinia pestis ou pelo nome comum, peste bubônica. A peste bubônica é comum e transmitida pelos piolhos dos ratos.

peste negra

Características da doença

 

A peste bubônica tem características que a denunciam no primeiro instante. Essa doença causa bolhas na pele e também o surgimento de manchas negras. Se você estudou história sabe que, a maioria dos professores designa a Idade Média como a “era das trevas”. A população do mundo estava começando a aprender consigo mesma, com seus erros e acertos.

Foi por esta razão que a peste negra matou milhões de pessoas em tão pouco tempo. Naquela época as coisas eram bem diferentes de hoje em dia. Se você acha terrível um banheiro de bar, é por que não viveu naquela época.

 

Ela não foi extinta.

 

peste negraA peste bubônica está presente na atualidade, principalmente em locais carentes de saneamento básico e cuidados com a higiene.

Existem alguns casos da doença que reapareceram em algumas localidades do mundo, como em Madagascar, no Peru, República do Congo e também, nos Estados Unidos.

Acredita-se que a peste negra surgiu na Ásia e chegou à Europa através dos navios que ancoravam nos portos sicilianos por volta de 1350. Nessa época as coisas eram muito precárias, o que ajudava na propagação da doença.

Nos barcos, era comum uma raça de rato preto que convivia muito bem entre os seres humanos. Nessas embarcações, algumas pessoas ficavam terrivelmente doentes muitas vezes chegando a morrer. Foi assim que a peste negra acabou chegando à Europa. As ruas sujas e o esgoto a céu aberto era o paraíso para a procriação dos ratos contaminados que espalhavam a bactéria.

A igreja, na época, impediu os avanços científicos em busca de uma solução e ainda disse que; qualquer tentativa de cura poderia ser visto como bruxaria. Algo terrível para aqueles tempos, pois as “bruxas” eram queimadas em praça pública.

Com esse bloqueio da santa igreja, a doença se espalhou cada vez mais e, mesmo fechando os portos, os ratos conseguiam se espalhar e procriar, espalhando a peste por todos os lugares. Algumas pessoas acreditavam que a peste era uma praga de Deus para castigar os pecadores,  vale destacar que, tanto sacerdotes quanto senhores feudais também eram vitimas da doença, ou seja, atacava ricos, pobres e integrantes da igreja.

 

Como a praga foi erradicada na época

 

peste negraSe a igreja ameaçou queimar quem quer que fosse, como a doença acabou no lugar? Bom, infelizmente, da pior maneira possível. A peste negra chegou ao final justamente pelo seu ciclo natural, ou seja, para a bactéria se propagar, precisava de pessoas, como milhares e milhares morreram, não havia mais como ela continuar se espalhando.

 

A doença, felizmente chegou ao fim, justamente por não ter mais ninguém para contaminar. Algumas cidades foram fechadas para estrangeiros e os doentes colocados em quarentena para não ter a possibilidade de continuar espalhando o mal pelo continente.

Depois da grande epidemia tivemos alguns casos envolvendo a peste negra. Ela retornou no  século XIX e,  em 2015 apareceram alguns casos. Vale lembrar que, os períodos de chuva torrencial pode trazer novamente a bactéria.

 

A melhor possibilidade de erradicar a doença seria acabar com todos os ratos, entretanto, essa questão é inviável. Por isso, o governo toma medidas para prevenir a doença e informar a população dos cuidados necessários, além disso, é preciso lembrar que, hoje em dia, existe saneamento básico na maioria das cidades, bairros e vilas, o que impede a facilidade do desenvolvimento da doença.

Notícias Relacionadas

Gostaríamos de saber a sua opinião. Comente!